mais capítulos

Já são seis capítulos feitos.
Escreverei mais alguns capítulos e darei de presente para a Thayná, minha prima - essa mesmo que está nas fotos do chapéu.
Ela é maluca, tem uma imaginação imensamente enorme e ia adorar se a casa dos nossos avós tivesse mais um andar.



1. Os andares da casa

É uma casa chamada Mundo de três andares sem grades nas janelas. Eu a chamo de Mundo pelo fato de ela ser muito grande e ter esconderijos preciosos e escuros descobertos nas minhas expedições vestido de pirata. No primeiro mora um velho simpático com um cabelo marrom com branco que toca violão, flauta e alguma coisa que eu não sei o nome toda noite. Moro no segundo andar com minha mãe, meu pai e uma irmão estranho. Costumam me achar estranho, mas eu não sou; ele quem é. Bem, o terceiro andar há muito não é habitado por alguém, que eu saiba. A casa é antiga; tem aparência de coisa que é guardada dentro de uma caixa e a cor desbotou. As paredes são de um azul desbotado e sujo e as portas e as janelas tem uma cor laranja, que quando abertas parecem retângulos pintados em uma tela azul desbotado e sujo. A rua é calma. Em frente a Mundo mora a velha Zalu que cobra mensalmente os aluguéis dos andares. Ela é uma velha boa e faz doces tentadores. O portão de entrada é cinza, tem umas pontinhas afiadas, que parecem agulhas, apontando para o céu e é forte - até hoje, depois de tantas boladas e pedradas, não quebrou. Ele é alto, mas tem um pedaços de ferro colocados na horizontal que dá pra escalar levando apenas alguns arranhões. Já estou acostumado; consigo atravessá-lo sem dificuldade, mas, quase sempre, está aberto e não preciso me aventurar. Uma pequena escada que antecede a portal de entrada me deixa do tamanho do portão. Minha mãe disse que é só uma tal de ilusão, mas eu afirmo, eu fico do tamanho do portão! A porta de entrada é de madeira escura com uma janelinhas de vidro opaco. Como ela é linda...mas nada se compara com a escada dos andares. Ao abrir a porta de madeira, aparece uma sala - meus pais a acham pequena demais - para mim, a sala é enorme - com um piso que parece um tabuleiro de xadrez. Isso é divertido; tem dias que só pulo nos quadrados brancos; tem dias que pulo alternadamente, quadrado branco, quadrado preto. No meio da sala, tem uma escada com trinta e três degraus; onze para cada andar. Como eu gosto dessa escada. O corrimão é fininho, não dá para escorregar; os degraus são de madeira e faz um barulho de grilo preso dentro do guarda-roupa do estranho do meu irmão. Esses barulhos, durante a madrugada, me deixavam com um medo arrepiante. Que eu saiba, escada não range sozinha...então se o barulhinho aparece é porque tem alguém usando os degraus. Mesmo assim, eu a acho linda.
7. ...
beijo tortoooo e laranja!

Comentários

você é divertida.

a sua prima Thayná é muito parecida com a filha da minha prima Maria Olésia, a Gabriela, que também é deveras sagaz.

eu achava que era filha do Zé Gabriel, mas as filhas dele são Carolina e Maristela; confundi; tenho um "mundo" de primos; meus avós tiveram 11 filhos, que vingaram.

às vezes eu sonho que estou voando, e acordo com a sensação que voei de verdade mesmo.


pax et bonum
marcos
Marie disse…
Olá. Te encontrei na comunidade dos Anônimos. Estou seguindo-a.Beijos tortos :*

Postagens mais visitadas deste blog

tereza, não ames!

há de se ter um jeito

Carta para o meu avô