Postagens

Mostrando postagens de Junho, 2010

flores

Imagem
Toda mulher é uma flor Que florece Murcha Se dispersa pelo mundo Morre E volta a ser flor.
Oh, céus, por que caules tão frágeis? Por que pétalas tão vulneráveis? Uma brisa as levam, uma mão mais forte as arracam.
Flores de amor são dadas Flores de beleza são invejadas Flores, apenas flores enfeitam os cabelos Flores nas roupas, nas mãos e na alma Flores cheias de abelhas Flores dentro de um pote d´água dão a sala uma vida ilusória
Ah, flores Que Deus permita as mulheres usar as suas loucuras Falar, se excitar, se amar, desamar
Por isso, não dê qualquer flor a uma mulher. Escolha, desescolha
Flores são as irmãs ocultas da mulher Flores são a felicidade contida da mulher Flores são as mulheres.

janela míope

Imagem
Da mesma maneira que se joga a tolha em qualquer lugar do quarto, sem se dar conta onde vai cair, como vai cair, puxo a cortina pro escuro sair.
A cortina fechada deixa os livros escuros, o chão gelado e o corpo frio, jogado na cama ainda quente.
O escuro sai.
A luz ilumina as páginas do meu livro, faz brilhar os fios de cabelo que fazem ondas nas ondas dos lençóis; queima de leve aquela preguiça...é, aquela preguiça.
Até que olho pra janela sem roupa e lembro de quando ela era ainda novinha, não tinha cortina, era toda luz, poeira e vidro quente.
Dava para ver muito longe, dava pra ver os aviões, dava para os aviões pousando, dava pra ver a nuvens gordas se aproximando como algodões molhados prontos para serem jogados em alguém.
Hoje, tinha um monte de tijolo amontoados. Tinha cimento, pedras, areia, madeira.
Minha janela agora é míope. Não consegue ver muito longe.
A noite chega, puxo a cortina de volta.
Pobre coitada, antes suja e quente, agora suja, quente e cega.

Em vida de janela cega, li…

09/12/2008

vou deixar meu coração gritar
vou abrir a prisão da minha aparência
e vou falar tudo
deixar estampado pra quem quiser passar
o que não mais se prende
o que não mais encontra lugar para se guardar.
será tudo dito
e aos poucos, vou virando um nada
sendo um nada
então, recomeço
09/12/2008

na época, a folha era branca,
a poesia falava.
hoje, a folha é amarela
o caderno é velho
são outros tempos
e a poesia continua falando.