Aquele momento cheio de espera e distração que sempre aparece antes de me despedaçar e preencher um pedaço de poesia. Preciso da confusão de um milhão de informação pulsando ao mesmo tempo. Da ansiedade de uma idéia que surge de um vazio.Da forma calma de ser desdobrada, preenchida sem pressa. Do alívio de ter o barulho da alma silenciado. Do descanso no fim de corrida entre pensamentos e sentimentos. E assim, eu sigo. Enfim, eu começo. Tecendo palavras, bordando delicadezas, vestindo sorrisos. Enfim, eu continuarei. Sendo poeta, descobrindo inspiração em corpos vestidos de costumes. Sendo linha, envolvendo de graça as pontas de um vestido. Sendo agulha, furando o escuro pra deixar a luz passar. Sendo música, esculpindo corpos cheios de ritmo. Sendo escolhas, sendo desejo, sendo entrega. Sendo be-you-to full.

-isabelle cristhinne

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Carta para o meu avô

tereza, não ames!

há de se ter um jeito