Dragão particular

Dragão Fashion Brasil e eu uma principiante inserida nesse universo denso e ... da moda. Cheguei e antes de ver uma moda mais humana, a vi transcrita  nas paredes, nas esculturas, nos lustres, no carpete, nas colunas. O espaço físico fazia seu papel de envolver e criar um ambiente no qual o propósito é se deixar permitir. E assim aconteceu. Diante de pessoas com crachás de estilista, produtor, staff, modelo, imprensa, eu era uma observadora sem crachá. Afinal, observadores são anônimos.  Por ter chegado cedo, tive a chance de não sofrer o impacto de tanta informação visual reunida e de não lamentar os poucos olhos que tenho. Então, passava alguém. Não era preciso procurar muito para achar seu objeto particular. Era uma bolsa, um brinco, um cordão, os anéis, um sapato, uma bota, uma saia, um cinto, um penteado de cabelo. Isso acaba sendo e parecendo muito feminino. Mas os homens, esses ganharam as ditas estrelinhas dos meus olhares. Homens maquiados, de salto, com estampas, com couro, com anéis, com brincos, com óculos. Não digo que isso é androginia, mas a universalização dos acessórios e de uma forma muito bem realizada. Mulheres e homens se fazendo bonitos. Foi bonito de ver. Interessante, melhor dizendo. Lá, no interior daquele centro, as roupas muito além de vestir um corpo nu, traduzia um espírito vivo que queria ser visto. Fazemos isso todos os dias, ao nos permitir vestir um tipo de vestimenta. Porém, não sei se fui a única a sentir isso, mas lá havia algo mais, como se um dragão morasse dentro do coração de cada cavaleiro e quisesse, não sair, mas se mostrar um para os outros e dizer sem palavras: eu estou aqui. Então, cavaleiros e cavaleiras, não abaixem suas espadas nos dias de paz. Lutem, acordem todo dia, às 6, junto com seu despertador, seu dragão e o deixe mostrar o que tem dentro de você. Beleza será apenas a consequência disso. -isabellecristhinne

Comentários

Aline V. Melo disse…
Sou total out desse mundo fashion... mas gostei da sua descrição do local e das pessoas...

=)

Beijinhos

Postagens mais visitadas deste blog

tereza, não ames!

há de se ter um jeito

Carta para o meu avô