o que o senso comum chama de lixo.

Nesse dias de carnaval, o que mais me chamou à atenção foi o que o senso comum chama de lixo. Digo, senso comum pelo fato de a reciclagem de materiais ser uma ação disseminada há tempos mostrando que exemplos básicos como garrafas de plástico e vidro, após o uso, podem ser reutilizadas ou ganhar novas utilidades.

Domingo, ao andar pela praia, foi impossível não notar uma quantidade considerável de coisas coloridas pela areia. A maré estava alta, tornando pequena a distância entre o mar e a estrutura das barracas. Entre as algas e os búzios estavam garrafas plásticas, garrafas e cacos de vidro, copos e pratos descartáveis, latas, canudos e sacolas plásticas. Na verdade, o que de fato me surpreendeu não foram esses objetos, afinal não é a primeira vez que o lixo nas praias me gera incômodo e questionamentos. Entre o 'lixo comum' estavam embalagens plásticas de 'acetona', biscoitos e Chettos, sandálias, papel alumínio, latas de sprays de espuma e caixas de papelão.

Hoje, terça-feira, parei em um pedaço de praia no qual não havia infra-estrutura de barracas, embora seja comum pessoas pararem por lá. O que fosse consumido ali teria que ser trazido, já que não tinha onde comprar. De fato, a ausência de pontos de apoio e consumo tornam a praia mais calma, reservada e silenciosa. E limpa? Era de se esperar, mas não foi o que encontrei.
Muitas garrafas, copos, latas, canudos, rótulos...embalagens plásticas de margarina, goiabada, latas de Nescau, caixas de suco, pedaços de isopor e sacos plásticos em menos de vinte metros de extensão de areia.

É fácil concluir que tantos objetos jogados na areia ligados ao consumo de bebidas e comidas são comumentes comprados nas barracas e com os vendedores ambulantes que ficam nas proximidades e que foram jogados na areia devido à ausência de lixeiras. E quando não há pontos de  vendas? Há lixo da mesma forma.

Dê o motivo que for - presença de barracas, ausência de lixeiras, descaso da prefeitura e dos empresários em manter essas regiões limpas - a poluição das praias é causada pela acomodação que faz com os usúarios sempre achem que tem alguém pra limpar depois, pela ausência de sentimento de propriedade pelos bens públicos e pelo descaso com as consequências geradas pelo entretenimento dos próprios usuários que reclamam da sujeira.

Não vou aqui falar das complicações e doenças gerados pelo acúmulo de lixo orgânico e inorgânico aos animais e às pessoas, afinal a minha indignação é sobre a presença do 'lixo' em lugares inapropriados.

É preciso uma lixeira pra cada pessoa que consume na praia? Com isso, além do mar, da faixa de areia teríamos uma faixa privada de lixeiras. É preciso colocar catadores de lixo em cada pedaço onde há presença de pessoas? Ou é muito difícil colocar os resíduos do seu consumo dentro da própria sacola plástica que os trouxe e depositar em alguma lixeira próxima? Se não houver lixeira, por na bolsa, no carro e depositar quando se chegar em casa? É de fato muito incomôdo cada um ser catador do seu próprio lixo?

Lixo incomoda, afinal, toda compra e consumo gera algum tipo de resíduo que logo é acumulado e 'jogado fora'. Jogar fora significa colocar o 'lixo' em algum lugar fora da zona de conforto e limpeza do usuário. Fazendo uma comparação analógica, aquele pedaço de areia e mar escolhido por um usuário é zona de conforto até a hora de ir embora. Então, o fato de ir embora e deixa os resíduos de seu consumo para trás é conveniente. Conveniente para um tanto de pessoas e desconfortável, prejudicial, degradante, incômodo e porque não dizer feio para um número muito maior de pessoas e animais.




Comentários

Aline V. Melo disse…
o lixo na praia tb me incomoda muito... outro dia tb estava andando pela praia e quando cheguei num certo ponto, mais afastado e mais deserto, a praia estava simplesmente uma nojeira de copinho, lata, pratinho... um horror...

faltam mesmo mais latas de lixo, mas o que mais falta é gente consciente de que se vai levar coisas consumíveis para a praia, tb se deve levar um saquinho para poder colocar o lixo dentro e depois jogá-lo adequadamente no lixo! Afinal, lugar de lixo é no lixo e não nas praias e nas ruas!

=)

Beijão
D i e g σ - disse…
O problema é que, as pessoas que jogam lixo na praia ou em qualquer outro lugar que não seja o lixo, é o tipo de pessoa que tem a irracionalidade contida em seu âmago. Portanto, não adianta espernear, ou educa o povão ou de-lhes como trabalho ser um catador de lixo, quem sabe não se aprende desta forma.


Aliás, falta de lixeira jamais será motivo para uma pessoa bem intencionada e educada agir como um animal.

Postagens mais visitadas deste blog

Carta para o meu avô

tereza, não ames!

há de se ter um jeito