Hum, hum.

Esses dias, uma amiga que há tempos não falava, apareceu, perguntou se estava tudo bem e pediu: me conta sobre você.
Sim, estou bem. Prefiro acreditar nisso. 
Agora, falar sobre mim. Na verdade, não esperava um pedido desses. Acostumada, talvez, com essas conversas momentâneas, instantâneas e superficiais de redes sociais, um oi, tudo bom e o que você está fazendo já é muita coisa. Não quis saber onde estou, nem o que estou fazendo, como está a minha faculdade, se ainda estou dançando, se minha família está bem, se ainda estou com aquele namorado.
Pra ela não importava esse tipo de pergunta, e até hoje me surpreendo quando ela vem e apenas me pede para falar algo. Contar sobre mim. Um pedido sensivelmente simples, discretamente desafiador, um e livremente descompromissado.
Tudo o que eu fiz, o que aconteceu na minha vida, desde o dia o último dia que nos falamos, não tem importância até que eu decida isso. Ela só quer saber sobre mim, não desse mundo de pessoas que entram e saiem da nossas vidas sem ao menos um recado. É isso. Ela nunca me vem com muitas perguntas, por que as decisões são minhas. Acontece tanta coisa todo dia, por mais que não percebamos. E essas coisas nos levam para frente, nos faz lembrar do que ficou pra trás e nos permite deixar algumas coisas de lado.
Contar sobre mim?
Hum, hum. Hoje não.

Comentários

As vezes é bom não falar, mas tem dias e pessoas que realmente querem saber, então por que não?

Nunca se sabe quando pessoas e coisas no nosso dia tão chatinho , vão mudar nossa vida, nossa história, pra sempre.

Se você não tiver fé que vai aparecer alguém interessante, ou algo, então ta tudo perdido.

ps: você ta sumida heim... ^^


Bjokinha

Postagens mais visitadas deste blog

Carta para o meu avô

tereza, não ames!

há de se ter um jeito