tortura das palavras

Passar muito tempo sem escrever é como passar muito tempo sem pegar uma gripe forte.
Você vai dormir aparentemente saudável e acorda com o corpo dolorido, a garganta arranhando e uma preguiça do cão. Com a escrita, é quase a mesma coisa. Seu cérebro fica processando ideias a cada coisa que acontece no seu campo de visão, mas não se consegue transformar uma imagem em palavras, suas mãos têm preguiça de tentar e apagar, tentar e apagar, apagar, apagar, rasgar o papel e deixar pra mais tarde e você fica se sentindo mal por não ter conseguido, ou, ao menos, tentado registrar uma cena.

Já que não escrevia, ao menos, pensava no ato de não escrever. A dificuldade que se tem em 'metaforsiar' um acontecimento qualquer, se relaciona intimamente com a forma que você quer, ou, na forma que você pensa que seu texto vai ser encarado, criticado, julgado, interpretado e mal interpretado.
Quando se começa a pensar demais, ajeitar demais, corrigir demais e inserir intenções demais em suas palavras, mais fica complicado de se escrever sobre tudo.
Escrever é simples. É como somar. Basta ir juntando letras, e mais letras e mais letras. Escrever é quase como andar. Dois passos já é uma caminhada. Dois passos são duas palavras. Duas palavras são partes de um texto. Um texto é um conjunto de letras amontoadas. E escrever é o que? Amontoar letras e mais letras e mais letras.

E, nessa confissão, eu assumo. Deixei de usar as palavras e comecei a acorrentá-las. Transformando os meus textos bobos em formulários cheios de observações.
Deixando de dar vida a algo sem graça, sem importância, para tentar descrever sobre coisas difíceis. Parando de criar significados a coisas desconhecidas para cair na rotina de falar sempre sobre a mesma coisa.

Uma vez, eu disse que a intenção das minhas palavras não era me endireitar. E outra, minhas palavras nem sempre me descrevem. É tudo uma grande invenção. As palavras se cruzam em outro mundo, perpendicular a esse cruel que nos insistimos em, não só viver, mas sonhar, imaginar e criar.

Então, declaro reaberto esse galpão de ideias vagas.
Sintam-se platéia de um palco cheio de personagens que nem eu sem de onde vieram.
A única coisa que sei, é que eles estão dentro de mim e vão começar a aparecer.

Melhor se acomodar, que a cortina já abriu.


Comentários

Marcelo Mayer disse…
melhor a falta do que o excesso de futilidades. oq não é o caso de seu blog.
melhor tb que seja invenção. assim, a vida não é uma grande piada que nem deus vai nos cansar de rir

boa volta!
e cada dia que passa mais eu gosto de te ler. e como gosto.

ótima volta.

beijo flor ;*
Lua S. disse…
Boa sorte em sua volta.
Eu estarei te acompanhando.


bjs
Nessa Mendes disse…
Que falta fez os seus textos!!
Beijinhos
Nessa Mendes

PS. divulgando o meu blog http://floresquevoam.blogspot.com/

Postagens mais visitadas deste blog

Carta para o meu avô

tereza, não ames!

há de se ter um jeito