basta ir até a janela

É madrugada, e as ruas dormem. A cidade continua viva, pulsando. Basta ir até a janela e ver as luzes vibrando. Cada ponto de luz dança na velocidade do vento. O mesmo vento que passa pela sua janela e assanha os seus cabelos. Há dias que parece que a noite morreu. Não há brisa, nem tempestade. Não há nuvens. Lua? A lua não põe nem o brilho em dias de noite morta. Não há barulho. Não há pessoas. Até que um cachorro uiva. Uma homem grita. Um carro buzina. E a noite ressucita. O silêncio é quebrado, as janelas se acendem e uma pessoa aparece na esquina. Não, não foi nada. Foi só um susto. No mais íntimo poço da noite, os sussuros da respiração , os gemidos dos corpos em atrito e as agonias da pele em dor são o que há de mais vivo.
É madrugada, e as ruas dormem. As pessoas dormem. A cidade continua viva, pulsando.
Basta ir até a janela e ver que a noite já está indo embora.

Comentários

Marcelo Mayer disse…
e óbvio, acender um cigarro. as cores vão ficar mais vivas. além de ter uma boa companhia
Moska de Bar disse…
Algumas nunca dormem. Ou pelos menos sabem o que é a última estrela ou um apagar de neons em meio ao concreto.
Lêeh Araújo disse…
Nossa vc ja pensou em escrever um livro ?? vc escreve muito bem .. amei seu bost ^^
super detalhado ^^

amr comentaa??
http://umquepebranco.blogspot.com bjus
se der passa tb ??
http://seven-in-seven.blogspot.com
Ana C. disse…
Você voltou com seus textos encantadores! *_*
Tenta não sumir,tá?
Eu realmente necessito de doses semanais do Chapéu Torto #soufofaemeacho ;P

Bjo,Bel
Lua S. disse…
Nossa quanto tempo não passo por aqui.


Ah eu prefiro a noite, aliás penso que funciono melhor a noite enfim gostei muito dessa observação que você fez no texto.

bjs

Postagens mais visitadas deste blog

tereza, não ames!

há de se ter um jeito

Carta para o meu avô