ruídos

Acordo sem saber que horas são. Há dias que pouco importa o que os ponteiros mostram. Em dias assim, a rotina é embaralhada, a sequência é perdida e apenas se sabe o que foi feito. Saber o que vai acontecer é o mesmo que tentar acertar a carta que está bem no meio do baralho.
A janela me revela um céu nublado. Diz-me sem detalhes o que aconteceu pela rua enquanto estava vagando pelos sonhos de olhos fechados e mente aberta, bem aberta. Uma mulher caminha sozinha com uma sacola na mão, sem pressa de chegar aonde quer chegar. Ou, então, a mulher não tem onde chegar. Anda apenas por andar. É difícil imaginar uma coisa sem o seu destino final.Por mais incerto que seja, sempre imagina-se um fim. Trágico ou não. É como se a chegada fosse sempre obrigatória. É como se as coisas se convergissem para um ponto final e esse ponto final fosse sempre o objetivo. Tudo treme. As coisas mudam de lugar. Rachuduras são fecundadas ameaçando derrubar toda uma estrutura. Desvios. Uma informação.
Não se vai muito longe sozinho. Não se chega no ponto andando sempre pra frente. Vírgulas sempre existirão. Ponto de interrogação.
Observo aquela mulher até o momento que o horizonte a engole e só me resta os passos deixados para trás. Segui-los seria ser engolida, também. Puxo a cortina e deixo o cinza me invadir. Um cinza frio que eletriza até a fibra mais relaxada. Um silêncio disfarçado abraça a calma daquele lugar. O respiração, as batidas do coração, as dobraduras das articulações não permitem que os vivos escutem o silêncio puro. Há sempre um ruído. Há sempre um ruído. O silêncio está sempre corrompido.

Ainda não é hora de acordar.

Comentários

eu sou humorista, então não vou palpitar no que não me compete...


=D
marcos
Erica Ferro disse…
"O respiração, as batidas do coração, as dobraduras das articulações não permitem que os vivos escutem o silêncio puro. Há sempre um ruído. Há sempre um ruído. O silêncio está sempre corrompido."

E como é preciso escutar o silêncio!

Muito boa a tua postagem. Aliás, tava com saudade de ler teus escritos.

Beijo.

Postagens mais visitadas deste blog

Carta para o meu avô

tereza, não ames!

há de se ter um jeito