meu deus, que calor


Tomou um banho para tirar o gosto de suor e o cheiro da rua do corpo.
Vestiu uma roupa qualquer, apenas para cobrir as marcas deixadas pelo sutiã apertado.
Passou a mão pelos cabelos molhados, não adiantava penteá-los.
Foi até a janela. Muito calor. O céu deveria ter a botão 3.
Olhou para baixo, sentiu uma vontade de pular na piscina. Diziam que precisava arriscar na vida. Mas morrer não. Não pulou e nem queria mesmo a piscina. Queria sentir o vento enxugando os últimos pingos d'água do corpo, queria sentir a sensação de não estar presa a nada.
Olhou para a rua. Por que tão alto?
Pensou: os prédios, algum dia, alcançarão o céu? Não, eles cairiam.
Sentiu uma vontade de encostar a cadeira na calçada e conversar sobre a vida alheia.
Viu crianças correndo e gritando. Crianças não sabem correr sem gritar.
Ouviu crianças rindo. Era uma orquestra. Meninas riam mais fino e davam gritinhos, meninos riam mais alto e tentavam falar, mas o riso engolia as palavras.
Lembrou de quando era criança. E riu.
Silenciosamente, riu.

Viu nuvens desordenadas no céu. Tentou achar algum coisa; só viu nuvens, nuvens e, no máximo, algodões. Já tinha visto até elefante nas nuvens. Naquele dia, os bichos estavam de férias.
Até que veio um vento forte, muito forte e ela suspirou: meu deus, que calor.
O vento aumentou, ficou cada vez mais forte.
As nuvens começaram a se unir. Um multidão de nuvens cinzas apontadas para a janela.
Encarou o horizonte e viu, longe, suspiros de chuva.
O calor percorreu o infinito do seu corpo ainda molhado e foi-se embora.
As crianças correram para casa.
Ela correu para cama.
Fechou a janela quase até o fim.
O cheiro de chuva, de coisa molhada acalmava.
Acalmava.
Acalmava.
E ela dormiu.


Comentários

Atomic*Julão disse…
Que lindo! Você escreve muito bem, parabéns!
Sophia disse…
Alucinei,colega!
Hosana Lemos disse…
viajei lendo...deu até pra ver a cena.


adorei.
Avilla Filho disse…
"Crianças não sabem correr sem gritar."
Antes isso fosse verdade, Hauehuaheuaeh
Tirando a parte do sutiã apertado e do procurar bichos nas nuvens, já senti algo parecido
Ana Apfel. disse…
Gostei muito do seu modo de escrever. De tantos blogs que eu leio, são poucos oque eu realmente me identifico com a escrita. Gostei muito.


E obrigada por ter passado no meu. Também estou te seguindo.
Beijos.
Erica Ferro disse…
Dormiu bem. ;D

Beijo.
Essa gosta de dormir...
com chuva ou sem chuva!
^^
Mαrih Menezes; disse…
Gostei muito desse blog, e achei o link pelo blog da Hosana Lemos :)
Gosto de conhecer novos blogs, e o seu foi uma descoberta muito interessante.
O seu texto foi muito bem escrito, o ritmo das palavras me envolveu e juro que consegui imaginar direitinho a situação e os sentimentos da personagem.

Sabe, li alguns outros textos e vi que voce realmente se dá bem com as palavras, então estou disposta a te seguir. E espero voltar outras vezes.

Beijos :*
Ferdi disse…
Que texto gostoso e nostalgico.
eu também gosto de dormir com chuva.

por conta disso, ouvi: lembra daquele tempo em que vc morava sozinho, num quarto de pensão, dormia com a janela aberta, e uma chuvinha atrás...

leia-se: o macho vinha atrás...

Postagens mais visitadas deste blog

tereza, não ames!

há de se ter um jeito

Carta para o meu avô