Uma xícara de chá, Chapeleiros?


Olá, Chapéu
A ausência foi inevitável.
Não, eu não estava incrivelmente ocupada.
Não queria escrever. É isso, desculpe-me te dizer tal coisa, mas você sempre entende.
Li. Li a Luneta Mágica, Pai, posso dar um soco nele? e estou lendo sobre Maquiavel. Depois, se quiser, Chapéu, te conto.
Chapeleiros, espero que esses dias de festas e cordias cumprimentos tenham sido bons,ou ao menos, confortáveis, suportáveis, aturáveis, enfim, que tenham se adequado aos seus desejos.

Natal é natal e não me convém ficar falando sobre. Cada família tem seus costumes e jeitos de juntar todos em um lugar por algumas horas. Nesse mundo apressado e louco de hoje, as pessoas já chegam falando na hora de ir embora.
Ah, um pouco mais de sosssego, por favor!
O natal como o feriado finalista do ano causa nas pessoas uma vontade de mudar. Mas, vamos ser sinceros, só a vontade. Uma vez, não lembro quando, fiz uma lista de objetivos para o ano quer iria chegar. É incrível como depois de terminar a listinha, um sentimento de alívio e renovação começou a circular pelo corpo e fiquei alegre, rindo e buscando as mudanças. Vem o outro dia, o outro dia, o outro mês, e a lista, meu bem, continuo lá no dia em que foi feita; esquecida, mas com esperança, entre folhas de algum caderno que estava sobre a mesa. Supostas mudanças são feitas nos sentidos. É preciso mudar o jeito de olhar para algo, escutar algo, falar sobre algo e sentir algo.
"Onde há uma vontade forte, não pode haver grandes dificuldades"
O caderno, o pedaço de papel não precisa ser extinto. Eles são como aquelas pessoas que torcem por alguém. Entre as linhas, guardados secretamente entre as páginas, os desejos estão, amadurecendo. Até que um dia, o tempo passa, o caderno envelhece e as folhas caiem. E até lá, é bom que os desejos tenham achado o seu caminho, ou da realização, ou do eterno pensar. Sim, há desejos que querem continuar a ser desejos.
Se não, os escreva novamente.
E tente fazer algo por eles.

beijo torto

Comentários

Sophia disse…
Escondi-me para sempre no meu chapéu torto.
sim, só não temos tempo para o que não queremos fazer. nunca deixe para amanhã o que pode fazer depois de amanhã.
Cau. disse…
"Mais chá, mais chá, muda logo de lugar."

O chá, o chapeleiro, a charada.

Alice e a pressa - símbolo do mundo moderno.

O Natal, símbolo das tradições e o Novo Ano e suas listinhas.

Espero que algum dia as listinhas se tornem flores de jardim.

Vc e seu blog são uma graça. ;)
Cau. disse…
Vc me inspirou! Vou postar no meu blog.
Anônimo disse…
Coincidências? O Chapeleiro? Alice? Como você sabe???
Marie disse…
Ameiii. O tempo urge sempre por mudanças.Feliz 2010!
Erica Ferro disse…
É preciso viver os desejos!

Postagens mais visitadas deste blog

tereza, não ames!

há de se ter um jeito

Carta para o meu avô