copinho de plástico


Era um pouco mais de uma hora quando entrei no ônibus. Paguei a passagem com moedas achadas pelos bolsos, ouvi um obrigasdo mal pronunciado do trocador e passei. Passei da catraca e passei a ser mais uma peça naquele têtris humano que são os ônibus. Achei um espaço que me cabia e lá fiquei tentando me equilibrar com apenas uma mão. Uma senhora distraída estava sentada na minha frente, olhando para a janela com olhos de quem para para pensar. Demorou alguns minutos para ela reparar na minha situação. Até pensei em pedir para ela segurar meus livros, mas não queria atrapalhar o pensamento daquela mulher, por mais pesado e incomôdo fosse segurar-se apenas com uma mão. O ônibus freava e lá se ia tudo para frente. Bendita Inércia! Nessas horas, lembro-me do cinto de segurança tão desprezado quando se está em um carro. A senhora, enfim, olha para mim e se oferece para me ajudar. Minha vontade era dizer que já não era a hora, mas agradeci com um sorriso. Segurei com as duas mãos as barras de aço amarelas e me senti um tanto mais confortável. Ao menos, ia ser mais difícil cair. O ônibus entrou em uma das mais movimentadas avenidas daqui. O fluxo de meios de transportes e pessoas é constantemente intenso, mas, principalmente, naquela hora. A avenida está passando por reformas, o que deixa o trânsito de carros mais demorado e perigoso e o trânsito de pessoas mais incômodo e muito, muito mais perigoso. São obras por toda a avenida e dos dois lados. Cones com cores alegres isolam lugares onde o asfalto já não existe mais, fazendo com o que um percurso de cinco minutos dure mais de quinze. A meu ver, obras mal projetadas e mal organizadas, causando um demanda maior de tempo, dinheiro e qualidade de vida.

E no meio de tantas buzinas, poeira e suor, vi algo que me deixou mais feliz do que impressionada. Uma mulher e duas crianças tentavam atravessar a avenida. É algo que demanda paciência e atenção, principalmente, por causa das crianças. A mulher percebeu que não daria para passar naquele momento e então procurou um lugar 'na sombra'. A criança maior, uma menina, tropeçou num copinho de plástico enquanto andava para trás. Logo, ela pegou o copinho e ficou procurando um cesto de lixo. De fato, não tinha cestos de lixo ali por perto. A menina entrou na farmácia e conversou alguma coisa com o segurança. Eu o vi apontando para um canto da farmácia. Ela foi até lá e voltou para a rua sem o copinho na mão.

Como um copinho de plástico gera tanta felicidade em alguém que desde criança aprendeu que não se pode jogar lixo no chão simplesmente porque é falta de educação?

Não sei se aquela criança não joga lixo na rua porque sua mãe diz que é feio, ou se ela já tem noção das consequências ambientais de tal ação.

Bem isso não importa muito.
O mais importante foi que o lugar onde ela estava ficou um copinho de plástico mais limpo.


Dica do torto: coloque o seu copinho de plástico no lixo mais próximo! xD

Comentários

Fernanda disse…
que criança mais fofa,ate eu fiquei feliz aqui.
Bertonie disse…
Eu li esse teu posto todo *o*
Nunca mais vim aqui, saudades de teus escritos.
Ó, se todas as crianças já crescessem com essa consciência, de copinho em copinho de plástico sendo retirado da rua suja e decrépta, esse mundo seria melhor, mais azul e mais laranja (:
heim...to te seguindo..gostei do estilo do blog, do jeito que escreve..fucei bem heim..

se puder visitar meu humilde Palavras de Brinquedo eu adoraria..
"o bom cidadão não joga papel no chão", diz um ditado popular paulistano.

=D
marcos
washington disse…
seu blog é super legal
eu indiquei ele para um selo entra no meu blog e da uma olhada la ,
jadeamorim.com disse…
Ah, que criança mais fofa e educada. Porque não temos adultos assim né?
Adorei o texto!

Beijos!
Sabrina Vaz disse…
Bravo!
Isabele parabéns, suas palavras são tão harmoniosas!
Seu blog é muito bom e essa dica do copinho é tudo!


(ps: eu era uma criança dessas!! ^^)
Fernanda Alpin disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Fernanda Alpin disse…
Essa menina nem sabe que em um dia qualquer alguém escreveu sobre o belo ato dela.
Adoro as coisas simples da vida. :)
Beijo, torto! :*
Adorei o blog... ^^x
nao resisti tava de passagem mais tive que vim e deixar um cometario...
Poucos posts são tão sinceros...
virei fã
e esse vai pros meus favoritos
bjinho e mantenha-se a salvo né?! ehehehe
xD
disse…
Que doçuuuura de história *-*

adorei tua narrativa, beijos.
Bia Falcãp disse…
Muuito bom. Joguem os copos nos lixos mais próximos, por favoooor!
Patricia disse…
essas crianças podem dominar o mundo, a gente deixa.

beijo*
o bom cidadão
não joga papel no chão,
porém jogou no busão!
Samuel Bendix disse…
Pra cê ver... Eu achava que a humanidade tava perdida.
M Cs. disse…
Uma das coisas que me deixa mais feliz na vida é ver alguém que se importa com o meio-ambiente. Chega o coração sorri :)
Flor disse…
eu guardo até no bolso se não acho um lixo.
mas eu achei maior legal você contar a tragetória do ônibus.
=)

um beijo.

Postagens mais visitadas deste blog

tereza, não ames!

há de se ter um jeito

Carta para o meu avô