querer o infinito




Quero sair daqui, fugir.
Pisar em praias distantes
Beber águas de longe
Ir pro outro lado
Sair do começo
Ver o sol pelo avesso.

Quero me jogar no mundo
Me afogar em outros mares
Me salvar em outros lares
Me amar em outros ares.


Quero me perder no dia
Quero que você sorria
Quero saber o que você faria
Se soubesse que a noite não vai chegar
Que o dia vai eternizar
Que o mundo não vai se acabar

Quero ficar
O mundo vai continuar
O sol não vai esfriar
E eu não vou precisar me perder
Nem correr.

Se o mundo não tem fim
Não quero fugir de mim
Se o dia vai terminar
A noite chegar
Então eu vou andar
E andando
Eu vou chegar em algum lugar.

-Isabelle Cristhinne




2 da madrugada.
Bendita insôniaaaaaaaaaaaa!




Comentários

Iago Barreto disse…
Bel, sou suspeito pra falar desta poesia, pq não gosto de poesias. Mas pelo que conheço da estrutura das mesmas, esta está boa! :)
"nós já tivemos
a nossa fase de carinho apaixonado,
de fazer versos,
de viver sempre abraçados"
(Dolores Duran, cantora da madrugada)


eu já tive minha fase de "trovador da madrugada". identifiquei-me com o teu poema anacronicamente, portanto.

hoje, durmo regularmente às 20:00h e acordo às 4:30h.

é bem melhor, é: bem mais ótimo!

e estou à caminho da Eternidade, "se o mundo não tem fim".

=D
marcos
Lili disse…
meu deus mulher...que coisa mais linda que vc escreveu!bendita insonia! =p

beijinhos
Karina Marques disse…
Lindascores pra ti!
ccauan disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
ccauan disse…
2 da madrugada? :T
é... a insônia e a idéia são mesmo duas estupradoras... usurpam nosso direto de dormir bem pra abusarem de nossos corpos e se exibirem através de nossas palavras.
mas isso é tão bom!

mario quintana dizia:
"amigos, não consultem os relógios
(...)
os anjos entreolham-se espantados
quando alguém- ao voltar a si da vida-
acaso lhes indaga que horas são..."

tem horas em que abandonar o relógio já é fazer poesia.

muito bom, viu?
no fim das contas sua insônia realmente resultou em poesia :)

Postagens mais visitadas deste blog

tereza, não ames!

há de se ter um jeito

Carta para o meu avô