pequena insônia



Era madrugada e Taíssa estava sem sono. Leu algumas páginas de seu livro da capa verde. O sono insistia em não chegar. Imaginando-se num castelo, sentou-se na cama com as pernas cruzadas e escovou o cabelo cem vezes. Uma vez, tinha lido que princesas, antes de dormir, escovava o cabelo cem vezes. Abriu a janela e um vento frio invandiu o quarto sem cerimônia. Perdeu as contas e muitos fios de cabelo. Nem sinal de sono. Não tinha relógio no quarto de Taíssa, mas ela sabia que era tarde. Seu papai já estava dormindo, sua mamãe já tinha desligado a TV e o seu abajur estava quente. Ela sabia que quando o abajur estava quente era porque muito tempo já tinha se passado. Deus, por favor faça que eu durma, amanhã tenho aula cedinho. Taíssa deitou a cabeça no travesseiro e levantou as mãos. As unhas ruídas, um arranhão na ponta do dedo maior. Taíssa balançava as mãos como se estivesse se despedindo do escuro. Criou coragem, desligou a luz e se cobriu com o seu maior escudo: o lençol.
Não sei se Taíssa dormiu, mas a vi hoje cedo.

Comentários

Kuriozza disse…
A insônia também é uma companhia silenciosa das minhas noites mal dormidas.
Caio Timbó disse…
Nem chamo mais a Lambisa de insônia. Ela ja faz parte de mim e merece um nome proprio. De vez enquando ela disaparece, mas sempre volta com saudade da minha companhia.

bjo!
Aline V. disse…
a coberta sempre foi meu maior escudo tb....=p engraçado a gente se sentir protegida apenas por um pano que nos cobre...hehehe

beijinhos
essa menina tanto póde ser uma creança como um mocetona erada já cursando faculdade. eu fico com a segunda opção.

o cabeçalho chegou aa excellencia; quase todos com chapéu em uma tella de muito bôm gôsto.

=D
marcos
Iago Barreto disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Iago Barreto disse…
O que mais me surpreende são os finais dos seus textos, sempre dão um desfeche ideal para a história. Às vezes não estamos tão surpresos assim com o texto, quando, de repente, o final nos surpreende de uma forma única.
Me senti lendo um romance quando li este texto, o final tá excelente, como já mencionei anteriormente, vale ressaltar:

''Não sei se Taíssa dormiu, mas a vi hoje cedo. ''

muito bom.
Tiago P. disse…
Gostei do final.
Será que dormiu? Será que não?

Pelo menos independente disso ela foi pra escola. ^^
Diana Valentina disse…
só sei que ela chegou com muito sono. rs.
ccauan disse…
gostei!
muito legal a forma como vc descreveu o pensamento infantil
parabéns :)
Lívia Linhares disse…
o lençol acaba virando escudo pra mim muitas vezes também!

gostei do texto! Aliás, seus textos são ótimos :] sempre que posso, passo por aqui...
parabéns de verdade, e obrigada pelo comentário feito outro dia!

Postagens mais visitadas deste blog

Carta para o meu avô

tereza, não ames!

há de se ter um jeito