amiga estrela

Ela passou por mim e sentou na minha frente, não por muito tempo. Cedi lugar a um senhor logo após e fiquei em pé ao lado dela. Seu cabelo era claro, quase branco, cacheado e lhe cobria os ombros. Sua pele era tão clara que era possível ver suas veias e, se tivesse me aproximado mais, seu sangue talvez. Os olhos verdes olhavam atentos para todos os lados e, vez por outra, me encontravam. Seus cílios brancos piscavam sem pressa e, quando seus olhos se fechavam, o resto dela parecia imcompleto. Devia ter uns dez anos. Há tempos não via uma menina tão bonita. Não era uma beleza publicitária. Seu cabelo estava assanhado, estava com a farda do colégio, não usava brincos, as unhas estavam ruídas e seu sorriso era amarelado. Mas ela era linda. Ao olhar para ela, tinha a impressão de que uma estrela muito brilhosa tinha caído do céu por causa da chuva e pegou aquele ônibus para conhecer a cidade antes de voltar lá para cima. Bem, ela até tinha cara de anjo de filme, mas prefiro que ela seja uma estrela, assim basta olhar para cima e procurá-la quando sentir saudades. Uma mulher passou por ela com uma cara assustada e disse para uma outra mulher que estava ao seu lado: é uma albina. Ela era albina e isso não a fazia um ser estranho. Queria ter conversado com ela; ter dito como ela era incrível; ter juntado meu braço com o dela só para comparar em qual dos dois aparece mais veias. Ao menos encostei nela. Quando fui descer do ônibus, olhei para trás e ela sorriu. Acenei uma despedida com a mão e lhe retribui meu sorriso.
Agora, tenho uma amiga que é uma estrela.

Comentários

ain que lindo.. *-* teus textos sempre repletos de sentimento...
Ow vontade de ser da minha cor...akkakaka...pretin pretin!
xerin!
Gostei da tua amiga...quase da tua cor!
^^
bozo. disse…
adoro tua maneira de ver o mundo.
sou teu fã, tenho dito.

beijo maluca. :*
Aline disse…
Quem disse que conversar, ou simplesmente acenar, para um estranho é ruim?

Postagens mais visitadas deste blog

tereza, não ames!

há de se ter um jeito

Carta para o meu avô