tetris humano

Lá vinha ônibus vazio. A medida que ele se aproximava, as peças se posicionavam estrategicamente para tentar levar vantagem logo no ínicio do jogo. O coletivo para no ponto marcado...o jogo começa! Um turbilhão de monominós adentra a caixa onde aconteceria o tão rotineira partida. Tetris coletivo humano possui regras semelhantes ao jogo eletrônico. Existem as peças de acomodação, ou seja, são aquelas que conseguem ficar sentadas, sem ocupar o corredor principal; o risco de cair dessas peças são bem menores. Quando todas as cadeiras estão ocupadas, começa a segunda parte da batalha. A porta se abre em todos os lugares combinados, e as peças de ocupação de qualquer espaço vazio entram desesperadamente. O ônibus se aproxima do fim da linha. Quando uma linha é completada, as peças desaparecem e dão aportunidades para outros jogadores participarem.

Comentários

Moisés Loureiro disse…
Sou teu fã!
Fico encantado com teus textos, até
pelos mais simples ou menores todos
são incriveis.
E a cada um que eu leio fico mais encantado!
;DD
Beeijo.
Bárbara Fróis disse…
Aii concordo com o Moisés, os seus textos, são maravilhosos. Adoro vim aqui! Tem pouco tempo que venho mas pode ter certeza que sempre estarei aqui.
Bejos
Lili disse…
Nossaaaaa...eu odeio ônibus exatamente por causa disso..mas sou obrigada quase todos os dias...e achei a comparação com o tetris perfeita!
beijoooos
Lucas disse…
Hoje eu estou meio lerdo para pensar, não li o texto direito, to confuso com algumas coisa da vida enfim...

"O ônibus se aproxima do fim da linha. Quando uma linha é completada, as peças desaparecem e dão aportunidades para outros jogadores participarem."

Não sei se tem haver mas seria uma metafora sobre a própria vida?

viajei neh?
não joguei tetris na vida hehe

hehe

bjxxx
Gustavo disse…
quando eu acabei de ler deu vontade de comprar um mini-game e jogar Tetris \o/
Aline disse…
Pensando assim, essa vida é até bizarra demais!
fabiana disse…
muito legal esse texto, a comparação é super interessante!!
show.
Eu andei tanto de ônibus, que já estava anestesiado: via lugares vagos, mas ia em pé pelo costume, para não esmorecer por uma esmola do acaso.
Jogos eletrônicos, eu não tenho paciência para eles. Prefiro ao ar livre.
Tiago P. disse…
Meu Deeeeeeeeeus!!!
É genial guria!
Parabens msm.
Marianna Neves disse…
Massa o texto. Pensando assim até tem graça andar de ônibus =P

Bjos.
bozo. disse…
jogo todo dia, querendo ou não. :X

beeeijo maluca. :*
Nem me fale dos Buzões...
Adoro adorar teus textos.
São sempre tão livres,leves e soltos.
beijos.Retribuo seus afetos e recados.
abraço!
Thiago Assis disse…
Eu já devo ter comentado como adoro comparações, metáforas e outras figuras de linguagem.
Esse texto é um exemplo daquilo que mais admiro: figuras e ser humano ^^


www.thiagogaru.blogspot.com
Thaís A :) disse…
Nossa, pior que é assim mesmo!
Adorei a forma que você usou as palavras muito bom :D
luzdosolhos disse…
oi, é o zé! :)
ah, gostei do textos, as palavras estão empregadas muito bem mesmo.
ótimo, ótimo, ótimo. :*
Essa analogia literalmente se encaixa à hodierna urbanidade: aquele joguinho dá nos nervos, estressa, reflete bem o que se passa na hora do rush das metrópoles.

beijó(K)awanami
Avilla Filho disse…
Ia ser bom se todas as peças do tétris humano tomassem banho, se depilassem e tivesse a menor educação.
Ia ser bem menos doloroso andar de onibus.
magico de oz disse…
eu odieo jogar tetris humano, sempre pego a segunda parte :/
GENIAl, nunca tinha pesado dessa forma!

osias

Postagens mais visitadas deste blog

tereza, não ames!

há de se ter um jeito

Carta para o meu avô