muros, barreiras e telas


Passar várias vezes pelo mesmo lugar, me fez deixar de apenas ver e começar a olhar as coisas. Agora, especificamente, os muros. Eles deixaram de parecer um ventilador colorido que minha visão lateral via sem prestar atenção. Muro é uma barreira; uma separação entre dois lugares; nos tempos de hoje, acredito que a definição que mais se encaixa é: é algo que protege e dificulta, mas não impede, um lugar de invasores. Pelo menos, aqui na minha cidade, já está em extinção aqueles murinhos baixos, coloridos, decorados com plantas, pelo qual é possível ver a entrada da casa e aquele casal de velhinhos sentados no fim da tarde sorrindo para quem passar. Isso não é a visão do paraíso. É, digamos, uma forma mais humana de se relacionar com as pessoas. As casas, hoje, parecem prisões. Os muros monstruosamente grandes escondem uma enorme quantidade de grades e cadeados que zelam pela não invasão de portas de madeira .Muros altos, grades, cadeados, guaritas blindadas, cercas elétricas, placas indicando a presença de cães bravos, loucos e devoradores de metido, tudo isso é para se ter segurança. Ou então, uma suposta sensação de segurança, pelo fato de que quando um Coisa Ruim que fazer algo contigo, não tem guardinha no mundo que o segure. Esse parafernalha de proteção pode adiar a ação, mas sabe como é: Coisa Ruim não morre, vai fazer estágio no inferno (caso o inferno exista mesmo e for tão ruim quanto dizem; se conhecerem um lugar bem ruim, me digam!) . Têm pessoas que olham um muro e vêem uma tela gigante na qual é possível expor ali algo que encante os olhos de quem o vê. Tem outros que ao ver aquele espaço sem nada, o saturam de informações do tipo quanto maior melhor e quanto mais melhor (isso já puxa um outro assunto; a tal da poluição visual, mas estou falando de muros). Têm aqueles que pouco se importam com o seu muro e olha que o muro é a primeira literalmente grande impressão que possamos ter de um lugar. No entanto, não tenho nada contra os muros. Eles já quase me mataram de raiva algumas vezes, mas, sendo um pouco flexível, entendo que eles estão executando a sua função. Pobre muros têm que aturar chutes e palavrões daqueles que são impedidos de ultrapassá-lo pelo buraco que permite o mundo entrar, a portão para ser mais clara. Temos que aprender a conviver com os muros; temos que aprender a gritar mais alto para sermos escutados do outro lado do muro; precisamos colocar mais força no braço quando jogarmos algo pelo muro; temos que ter mais agilidade caso seja preciso escalar algum muro. Se isso é trabalhoso e doloroso demais para você, aprenda a abrir cadeado com clips, convencer seguranças ou usar o poder da conversa nos interfones. Se tudo isso não funcionar, vire as costas e vá embora...ou então derrube o muro. Só não esqueça de me contar como foi!.

-Modelo de parede: http://www.flickr.com/photos/iurifernandes/2544957432/

-Muro das lamentações: http://www.flickr.com/photos/urigordon/2820896135/

Comentários

Liiindo de mais o texto !!
Um segredo?? Eu reparo e demais nos muros! Mas não da forma com que você escreveu acima, mas nos jeitos, nos grafites...

Gosto de reparar na estrutura dos muros dos lugares (reparo neles mais na forma arquitetônica do que poética, propriamente dizendo). Mas agora, vendo pelo seu ângulo, vou começar a olhálos de forma diferente !

Beijos,
e até o próximo post !

(Lêe Oliveira)
Princesa moderna disse…
lindo! simplesmente incrível! acho que todos nós temos nossos muros, mas porque não tentarmos quebrar eles? sabe o que eu acho que são os maiores e mais espessos muros do mundo? o orgulho e o medo... Esses sim são muros que muitas pessoas não conseguem escalar, ou derrubar! amei o post! beijos
Meu, "ventilador colorido" foi a metáfora da semana!
Quanto à existência do Inferno, eu não acredito, apesar de ser católico. A palavra Inferno aparece só no Novo Testamento, e, nele, só apareceu quando da unificação linguística da Bíblia por São Jerônimo na sua Vulgata Latina.
Não faz sentido o bom Deus reservar um lugar pra neguinho sofrer eternamente. No Juízo Final, ou ganhamos a vida eterna, ou morremos definitivamente.
Mas, show! Tu se manteve quase só pelo estilo, explorando um tema difícil por ser aparentemente trivial e simples; ora, quem vê arte em um empilhamento de tijolos? O artista!
Tua prosa me lebrou estes versos alheios:

O MURO

É um velho paredão, todo gretado,
Roto e negro, a que o tempo uma oferenda
Deixou num cacto em flor ensangüentado
E num pouco de musgo em cada fenda.

Serve há muito de encerro a uma vivenda;
Protegê-la e guardá-la é seu cuidado;
Talvez consigo esta missão compreenda,
Sempre em seu posto, firme e alevantado.

Horas mortas, a lua o véu desata,
E em cheio brilha; a solidão se estrela
Toda de um vago cintilar de prata;

E o velho muro, alta a parede nua,
Olha em redor, espreita a sombra, e vela,
Entre os beijos e lágrimas da lua.

Alberto de Oliveira
.
Lucas disse…
Amei hehe me lembro que quando eu tinha 6 anos meu mudo era da minha altura hehe e depois ele cresceu hoje deve ter 3 metros por ai... Mas nem essa altura impediu um ladrão de subir nele, sorte que eu estava em casa...
Quase não reparo em muros mas, hoje sao eles que identificam uma casa... a minha é na rua tal, com um muro de pedras cinzas e é alto...

bjxxx
' Rôh disse…
Vou passar a prestar mais atenção nas coisas que vejo por onde passo repetitivamente.
Ahh!! hehehe, e se eu chegar a esse ponto, te conto. XD
lindo lindo seu blog... XD


Cheiiro, Roh
Aline disse…
"murinhos baixos, coloridos, decorados com plantas, pelo qual é possível ver a entrada da casa e aquele casal de velhinhos sentados no fim da tarde sorrindo para quem passar."

Você descreveu a entrada da casa dos meus avós em plena São Paulo! E nem pense em mudar nada porque eles não permitem!;)
Minnie_ disse…
Saudade dos murinhos...
Se bem que aqui, no Rio, nem é tããão difícil ver os dois sorrisos velhinhos por detrás do muro.
Esses muros altos, companheiros de grades e cadeados como vc diz, na verdade passam proteção só ao pé da letra msm. Pq mesmo estando segura, ao entrar em casa vc é forçado a pensar: Pq essa muralha está aqui? E aí vem o medo, de novo.

Outra coisa que eu gosto nos muros: eles guardam segredos. E de uma forma especial, pq se eu escrever ana e pedro num muro, o segredo vai estar lá, mas ninguém conhece a ana e o pedro msm!

Acho que esse seu chapéu tem um pouco de muro.
Até o próximo post. ;D
Carlinhos Black disse…
Os muros escondem mais segredos que do que possamos imaginar. Em cada muro há uma complexa circulação de sentimentos amedrontados pelas notícias da TV e Cia. Interessante o texto, apesar de eu achar desgastante a repetição de palavras. Obrigado pelo comentário, e saiba: Aninha e Paulinho já foram armazenados num dos meus livros... Mas como não tenho dinheiro para publicação, ficam isolado por enquanto.
Princesa moderna disse…
^^ entendi sim a metáfora e gostei muito dela! É as aparências enganam mesmo... Estão sempre enganando né... A todo lugar, principalmente na política... Se bem que ultimamente já estamos tão céticos que muitas vezes já não nos enganamos com quase nada... Ou como eu prefiro dizer:
"a verdade está nos olhos de quem quer ver".

Beeijos amei seu blog!
fabiana disse…
Pois é, as cidades têm seus muros e as pessoas também... e bem enfeitados, muitas vezes!
É bem legal tentar ver do outro lado. Ou deixar a porta aberta pro casalzinho sorrir pra quem passa...
Gostei do texto, como sempre!
Bjs

Postagens mais visitadas deste blog

tereza, não ames!

há de se ter um jeito

Carta para o meu avô