o nada é alguma coisa.


Não ter nada pra fazer irrita, mas não sejamos tão radicais. Talvez, não estávamos fazendo coisas exageradamente interessantes. Não ter, literalmente, nada para fazer é mais um eufemismo (sinônimo delicado) para a morte.

Como não tinha nada pra fazer, hoje de manhã, parei para pensar e percebi que as melhores coisas que me aconteceram na vida ocorreu-me quando não tinha nenhum compromisso marcado.
Foi por não ter nada para fazer que criei o Chapéu aqui. Estava de férias, a internet já não me agradava mais e visitando alguns blogs, nasceu em mim uma grande vontade de ter o meu. Fiz, rezei para que durasse mais de um mês. Minhas preces deram tão certo que o Torto já tem mais de seis meses de vida.
Foi por não ter nada para fazer que meu pai me influenciou a fazer algum esporte. Decidi fazer ballet - não que fosse o meu esporte preferido. Aguentei os doloridos, monótonos e alongados primeiros meses, mas depois foi melhorando, eu fui gostando...e já se passaram sete anos.
Foi por não ter nada para fazer que escrevi um texto que me concedeu a vitória em uma exposição literária - o texto, sobre flores de plástico, não foi colocado aqui.
Foi por não ter nada para fazer que li livros incrivéis sem ter tido que me preocupar em parar a leitura quando tal hora chegasse.
Foi por não ter nada para fazer que eu fiquei super feliz quando uma amiga me chamou para ir passar o dia na casa dela.
Foi por não ter nada para fazer que cheguei mais cedo aos ensaios e suei até a pirueta sair ou fazer acontecer aquela parte da coreografia que estava fora da música.
Foi por não ter nada para fazer que puxei conversa com uma pessoa e que, atualmente, me é muito importante.
Foi por não ter nada pra fazer que inventei brincadeiras para brincar com minhas primas.
Foi por não ter nada para fazer que pintei os quadros que enfeitam uma parede da casa dos meus avós.
Foi por não ter nada para fazer que sai de casa com uma máquina na mão e consegui registrar, com uma foto, o momento em que uma formiga carregava uma folhinha.
Foi por não ter nada para fazer que pensei no que eu fiz na vida.
Foi por não ter nada para fazer que escrevi esse texto.
Mas, agora, vou ter quer ir. Prometi brincar com minha prima...teremos muitas coisas para fazer.
.
.
hm, ps ou obs: o chapéu, essa semana, fará uma surpresa..

Comentários

m.milena :) disse…
"Foi por não ter nada para fazer que escrevi um texto que me concedeu a vitória em uma exposição literária - o texto, sobre flores de plástico, não foi colocado aqui. "

- coloque.

"Foi por não ter nada para fazer que eu fiquei super feliz quando uma amiga me chamou para ir passar o dia na casa dela. "

- se não for eu, fica sendo.

"Foi por não ter nada para fazer que puxei conversa com uma pessoa e que, atualmente, me é muito importante."

- seeeei.. aheie :x

-----
já tô curiosa pra saber da surpresa :)
Lucas disse…
Foi por não ter nada para fazer que passei hoje no seu blog e lembrei de uma frase mais ou menos assim... gostoso mesmo não é não ter nada para fazer, gostoso é ter mil coisas para fazer e não fazer nada... hehe

Bjxxx
Isabelle!
fabiana disse…
realmente são os melhores momentos... sem pressão, sem datas, sai tudo com vontade, dá pra ser mais criativo.
Eu também fiz as minhas melhores coisas quando não tinha (quase)nada pra fazer.
;)
fabiana disse…
Isabelle, li um blog MUITO bom, vale à pena mesmo dar uma checada:

http://blog-ohlala.blogspot.com/

acho que vc vai gostar muito.
bjs!
O meu nada para fazer já me feza fazr muitaa coisa! Hahishdiaus.
E assim como vocÊ, o meu blog surgiu de um nada pra fazer ;D

Beijos
m.Leal disse…
realmente tudo que fazemos quando estamos sem nada pra fazer são as MELHORES coisas =~) tipo, eu AMO fazer NADA com minhas amigas =~)
e AMO conversar nada contigo no msn =D

..enfim, eu amo um nadinha assim você ;*
Carolina disse…
Meu blog é a maior concequecia no meu ocio! rs
passa la de novooo
bjs
Tiago P. disse…
Surpresa é? Qual é?
Foi a troca do template?

O q vc disse é uma grande verdade. Da falta do q fazer é que surge as grandes idéias. E posta o premiado. To curioso pra saber o q disse sobre a plastiquentas flores.

hehehe...
kellen valeska disse…
Oie..
1° vez aqui.
Gostei mt do blog.
Lindo lay.

A como vc tbm foi em um dia q eu não tinha nada para fazer q criei meu blog,pensei q não iria durar mt tempo,mas durou e hj ele é uma das minhas grandes paixões,fico mais no blog,do q no ORKUT.
hehe...
Descobri nele um mundo mt bom e divertido;)

Ótimo texto..

bjo=)
Malú disse…
ah, agora você me deixou curiosa pra ler o texto que sobre as flores de plástico.
Virei seguidora :)

ps: também tenho problemas com piruetas. traumas da minha vida... rsrs.
bj!
fabiana disse…
estamos todos curiosos, pelo visto. O que vem por aí?
Avilla Filho disse…
Não ter nada o que fazer, de fato, é um grande exagero. Verdade que, muitas vezes, tomamos grandes decisões e fazemos grandes coisas em momentos de ociosidade. Isso é facilitado porque não há compromisso nem expectativa, logo, não há decepção e a ociosidade nos faz ficar pensando e arguindo sobre decisões, então, talvez por isso, sejam, geralmente, tão boas as nossas decisões.
...e foi por não ter nada para fazer que eu li este post legal.

vc tem um estilo literário totalmente diferente do meu, mas identifico-me com o que vc escreve por alguma semelhança de pensamento que não compreendo.

Postagens mais visitadas deste blog

Carta para o meu avô

tereza, não ames!

há de se ter um jeito