sincero testemunho de uma pobre feliz - parte 1

-O ano acabou e eu, mais uma vez, não cumpri a minha lista de objetivos. Primeiro, perdi os caroços de uva, que guardava na bolsa por que diziam que dava sorte. Não coloquei silicone porque o médico pensou que eu tinha mais de dois peitos e cobrou por quantidade indeterminada de objetos a serem aumentados. Não estirei meus cabelos porque começaram a dizer que tinha formol na fórmula. Que eu saiba, formol se coloca em gente morta, eu não morri ainda. Não viajei para a Pequim por causa que a macumbeira, que é minha vizinha, disse que o avião ia perder o controle, vagar no céu sem destino e cair no meio do deserto. Não sou muito de acreditar nessas coisas, mas a peste da mulher é tão ruim que eu tive medo de ser esmagada pela porta do aeroporto, sem chegar ao menos no portão de embarque. Não engravidei com medo de que alguma mutação atacasse meu filho. Só comi pão integral porque vi na televisão que pão de massa branca funciona como uma cola no estômago. Não comprei nada com o cartão de crédito - nem cartão eu tenho - porque ouvi falar que o juros estava crescendo. Não sei como juros cresce, só sei que se demorar, vai me custar a vida. Dessa forma, comprei tudo à vista, quer dizer, fiquei passando a vista nas coisas. Não arranjei um namorado com medo de que ele fosse um psicopata frio, ou um assassino disfarçado de namorado romântico. Frustrei os desejos de um ladrão que veio me roubar e só recebeu uma bolsa de moedas e uma carteira de estudante. Não dormi as oito preciosas e regenerativas horas de sono...dormi mais e continuo envelhecendo e sem paciência. Não escrevi cartão de natal para toda a família por causa da caridade da época. Caridade sim, tudo fica mais caro. Pensei em fazer os meus cartões, mas não tenho coordenação motora nem para cortar o durex que prende as partes quebradas do espelho do banheiro. No entanto, sou feliz. Neste ano, decedi ser mais sincera. Ao ínves de fazer uma lista de coisas a fazer, vou fazer uma de coisas que eu tenho certeza que não terei no próximo ano: dinheiro, um espelho novo no banheiro, um cartão de crédito sem juros, um cabelo liso e a macumbeira da minha vizinha no céu.
.
ps: não tenho uma vizinha macumbeira/ não vou por silicone / gosto do meu cabelo / e não tentei engravidar.
.
Hoje é um ano, amanhã já é outro. Amanhã o carro de 2008 já é o carro do ano passado.
Amanhã os livros que terminei essa semana já serão os livros que eu li ano passado.
Amanhã todas as maluquices desse chapéu...continuarão sendo as conclusões tortas que eu tive.
Bom ano que vem! E um abraço, um beijo e uma taça de água (não conhecendo o gosto líquido de todos, apelo pra a água) para todos.
E muita saúde e força para as tartarugas, cachorros, baleias, ursos polares, pinguins...e tudo que é de animal que esteja em extinção ou não.
E um beijo de uns 1010 km de distância pro João, que vai tomar um susto quando ver isso aqui.

Comentários

Gladdys disse…
Feliz Ano Novo Bel!!
Adorei seu blog, ri muito do seu texto.
Bjus
May C. disse…
hihihi, tá muito massa! parece eu, que não faço as coisas por "medo" :DDD
que tuuuuudo melhore em 2009, bel.. te amo ♥
Tih... disse…
Caraca, q post mais completo.
Realmente ta mto bom.
Ainda bem q nao tem uma vizinha macumbeira. Deve ser meio... sei la... estranho neh nao.

Ah, eu fiz meus cartoes de Natal esse ano. kKk..

bjao e feliz 2009
bozo. disse…
muuuito bom. eeauhaeu ^^

beijoo maluca. ;*
A parte que eu mais gostei... foi das características impostas para as suas tentativas! Bel, te desejo de coração felicidade eterna, adorei te conhecer em 2008. Beijos... Poste quase perfeito em!?hahahah,brincando...ele é a tua cara!
Lucas disse…
"Nós, gatos, já nascemos pobres
Porém, já nascemos livres
Senhor, senhora ou senhorio
Felino, não reconhecerás"
(Chico Buarque)

Hehe ese ano você pode fazer qualquqer coisa... você é livre

bom 2009
João Medeiros disse…
1010 km as vezes parecem tão curtos
fabiana disse…
a macumbeira foi uma idéia engraçada - ainda bem que não é verdade!...

Postagens mais visitadas deste blog

tereza, não ames!

há de se ter um jeito

Carta para o meu avô