Não era, mas é.

Não some de vez. O tempo vai passando e o fantasma está sempre ali, aparecendo quando a sossego interior está quase se firmando. Uma só cumprimento, uma conversa de minutos causam dias de pensamentos e lembranças insistentes. Ao invés de os anos o levarem para longe, para um outro lugar, permite que ele faça visitas desavisadas e usando toda a naturalidade que uma intimidade findada na infância permite. Só a coragem deveria ter existido quando a decisão de ter o deixado ir foi tomada. Ela até existia, mas só impunha quando não era necessária. A traiçoeira coragem e a infeliz dona dela. Agora, esbanjo uma decisão apoiada numa base incerta que vai ser tomada para acabar com esse palco de neutralidade e falta de imposição que teve as cortinas abertas quando a dor da ausência de coragem sumiu. Sumiu não, se transformou em um dragão adormecido que quando pertubado, levanta o pescoço, assusta quem está por perto - eu-, vomita um corredor de fogo que não chega a queimar o coração, apenas o deixa sensível ao gelo de um separação, que entranhada no seus motivos, não era desejada. Mas, agora, deve ser.
.
.
há tempos não escrevia coisas assim.
Não esqueci o capítulo 7!

Comentários

Avilla Filho disse…
Tomar uma posição medindo cautelosamente pontos positivos e negativos e tomar uma decisão definitiva tem de ser feita, e nada de tomar uma decisão e continuar em cima do muro.
O dragão não pode ficar ae e a amazona fica só olhando pra como o dragão é forte e imponente, ela deve escolher entre se aliar com o dragão ou usar sua longa lança de coragem pra mata-lo de uma vez por todas.
Lucas disse…
"há tempos não escrevia coisas assim."

Amei o texto hehe mas, não vou falar dele... vou falar desta frase...
Não sou o dono da verdade... mas, sabe o que acho que faz um escritor ser grande? ele escrever coisas pensando nele mesmo, em se agradar, em liberar o que está preso dentro dele esperando uma hora certa para sair...
Liberte seu dragão(chame ele de coragem hehe engane seu coração) e voe nas asas dele... se queime... às vezes a dor nos faz lembrar que ainda estamos vivos...
Camilla disse…
Ai eu to curiosa pra ler o capitulo 7

Beijo
May C. disse…
caraca, fiquei passada com esse :O acho que faz tempos mesmo que tu não escreve assim!

Postagens mais visitadas deste blog

Carta para o meu avô

tereza, não ames!

há de se ter um jeito