Felicidade é o que uma aluna, que está cansada e entediada, sente quando a última aula do ano termina e ela fica consciente de que não será preciso acordar cedo no outro dia para não perder o ônibus. E se chegar atrasado, terá que agüentar calada as reclamações do coordenador, que ficará clandestinamente feliz.

Clandestina é aquela aula que atrasa o horário do despertador do pai, quando ele está dormindo e, no outro dia, recebe a notícia de que não irá à aula devido à desatenção do pai na hora de programar o despertador. E , ainda deitada, sente uma felicidade clandestina que não pode ser compartilhada com alguém.

Felicidade é o sentimento dominante quando uma aluna acerta mais da metade da prova de matemática. Clandestina é a pessoa responsável pelo gabarito dessa prova, ao perceber que divulgou o resultado errado, que, provavelmente, acabará com a felicidade da aluna que corrigiu sua prova pelo gabarito errôneo.

Felicidade Clandestina é algo fora dos padrões comuns. É o que se sente sozinha. É o sorriso não compreendido. É o que uma aluna novata sente ao receber o primeiro boletim do colégio. E, mesmo assim, fica feliz com as estrelinhas que identificam as piores notas.

-Isabelle Cristhinne



Dr. Leitura de: http://www.flickr.com/photos/blandinafranco


Verbete em forma de redação, feito hoje :)

Comentários

G. Sontachi disse…
fiquei com medo dos bonecos c.c
hosihdfoishdoifshodihf

ah, aluna... sou uma má aluna, digo isso com todas as letras e sem nenhum orgulho /;

beeeijos
Wendell disse…
A Clarice Lispector te inspirou muito hein! :D
Gostou muito desse livro? ainda vou ler mais esse >.<'

Te amo :D
legal as fotos :D

;*
fico feliz assim quase todos os dias!
Me emocionei com seu post!
ótimo escritora voce flor!
x)
beijinhos!
:*
Sweet Girl ჱܓ disse…
quem nunca sentiu essa felicidade clandestina ?? Aquela felicidade que muitas vezes não se sabe porque, nem de onde vem, que não tem uma explicação concreta..

Lindo texto ;D
Beijos !!
Mayara Cristine disse…
aiaiai essa pessoa de chapéu torto que não banha o filho! uehuehe
Avilla Filho disse…
Sua percepção para descrever e ver as coisas mínimas me surpreende a cada visita.
ps: acho que esse boneco tem mais do que cansaço de uma longa leitura.

Postagens mais visitadas deste blog

Carta para o meu avô

tereza, não ames!

há de se ter um jeito