Cachorros são os melhores psicólogos que existem. Eles nos acalmam de uma forma mágica. Sem fazer pergunta alguma te faz entender muita coisa. Fico mal e sinto uma imensa vontade de chorar quando vejo alguém maltratando algum. É um golpe na minha alma.
Para mim, não existe olhar mais sincero do que um olhar de um cachorro. Cachorros não são complicados, ocupados, estressados, muito menos entediados. Isso são coisas de nós humanos, que nos achamos superiores o suficiente para achar que todo ser vivo sofre as mazelas que nós inventamos. Para achar que pode fazer sofrer, maltratar aqueles que não falam como nos falamos, que não vive como nos vivemos. Os cachorros têm a capacidade de ficar parecido com aqueles que cuidam de sua vida. Porém, sua sinceridade não é afetada por isso. Por mais mal caratér que seja seu dono, se o cão gostar de uma pessoa, não tem dono no mundo que o faça mudar de opinião.
E devido a essa simplicidade, acredito eu, que os cachorros saõ famosos por serem o melhor amigo dos homens. As pessoas encontram neles o que buscam entre o mundo humano e dificilmente acham. Um abraço quando o mundo parece querer cair sobre sua cabeça. Uma companhia quando você se sente só. Um amigo para o fazer rir da maneira mais simples.
É um amor diferente. Um amor que nada exige. Um amor carinhoso, grande, que nos faz chorar quando a vida dele corre algum perigo. Uma vontade de eternizá-lo surge na mente nos momentos que ele te faz se sentir vivo. Esse sensação é quase constante. Então paramos, pensamos e fazemos tudo para sempre o ter ao nosso lado.
.
.
Um abraço e um beijo para meu primo Zorro (o cachorro da primeira foto!) :D
E que o Joaquim (o da segunda foto), seja abençoado e protegido aonde quer que esteja.
E que todos os outros sejam bem cuidados, tenham o que comer e com quem brincar!
beijo torto!
-IsabelleCristhinne

Comentários

Shadow Cutting disse…
Nice and cute doggy photos!
Mayara Cristine disse…
ô bel.. tenho tanta pena dos cachorrinhos que vivem só =~ tipo o Joaquim ;/

Postagens mais visitadas deste blog

tereza, não ames!

há de se ter um jeito

Carta para o meu avô