• Desde pequena, convivo com a parafernalha artistítica de minha família (tinta, pincel, tela, tesoura, fitas, panos, linha, agulha e mais um série de caixas). Porém, tinha quase plena convicção que verde era verde, azul era azul ou azul bebê (lógico que era! a primeira coisa que me ensinaram aqui em casa foram as cores, acho que foi. ). E agradeço a quem ensinou a só ter me revelado a existência de um azul, um verde, um laranja, um vermelho, um amarelo, um branco, um preto.
    Cresci e aprendi a misturar as cores. Quando ganhava potinhos de tintas, por mais que minha vó pedisse que não, eu misturava duas, ou até três cores dentro do pote mesmo e ficava, algumas vezes, feliz por ter descoberto uma cor linda! Só misturei todas algumas vezes: a primeira era pra ver qual cor ficaria (preto), a segunda pra confirmar, e a terceira porque a tinta preta tinha acabado. Sou a favor de que toda criança precisa ter potes de tintas! É uma sensação de liberdade enorme vestir a roupa que a sua mãe separou pra você usar na hora da meladeira e passar a mão suja de vermelho na blusa pra limpar os dedos. E, mesmo assim, saber que não vai levar nenhum grito ou não vai precisar escolher um lugar excelente pra esconder a roupa suja.
    Ainda mais, potes de tintas ajuda a improvisar, ou por necessidade ou por curiosidade, ou por teimosia. Se falta verde, mistura azul com amarelo. Se não tiver laranja, mistura vermelho com amarelo. Se quiser saber mais, compra os seus potes e mistura. Não me recordo de todas as misturas no momento.
    Hoje, parando para observar mais atentamente as tintas de minha vó, percebo a infinidade de nomes que as cores possuem. Acredito na existência de alguém que trabalha somente inventando nome de cores. E o pior, inventando nomes muitos estranhos, que mesmo que você olhe dez vezes para o azul, você não percebe onde está o cobalto da situação. É só azul e pronto! Vou citar algumas, e caso você conheça todas (tem que ser todas), me informe, terei o prazer de conversar com você. Se você não conhecer, me diga também, meu prazer em falar com você vai ser maior ainda!

    -verde oliva, verde pinheiro, verde bandeira, verde musgo
    -vermelho escarlate, vermelho vivo, vermelho sóbrio, vermelho fogo
    -azul celeste, azul marinho, azul turquesa, azul ceruleo, azul marinho, azul cobalto
    -cinza lunar, bordeau, ocre ouro, sépia, pistache, siena natual, violeta cobalto
    -verde doente, amarelo 5:10 da tarde, vermelho olho depois de chorar, amarelo xixi, azul sangue de inseto(em alguns insetos, o pigmento respiratório tem cor azul, por isso a tonalidade do sangue, e não por causa de sua suposta nobreza), roxo pancada, cinza papel apagado com borracha suja, entre outras.

    ps: o último tópico de cores é criação minha e foi baseado na realidade.

    beijo!

Comentários

bozo. disse…
eu fiz muito isso, adorava musturar corees. =D

faltou citar o verde-catarro. heauheauaehua =P

;*
Avilla Filho disse…
É, mais uma vez a sinceridade e detalhismos dos momentos de alegria infatil dela causam aquela sensação boa de estar no momento, apesar deu ter sido uma criança esquisita que não gostava de se sujar :x, o trabalho depois me dava uma preguiiiiça, e eu preferia ficar brincando com meus comandos em ação e me divertindo enquanto eles perdiam braços, cabeças e meu pai fazia uma parada com liga, dentro deles, que ficava novinho, pra na proxima guerra, mais multilação haver.
aheuaehuaehuaehauehaeuhauheauhe
essa tua capacidade de mostrar pequenos momentos com aquele sentimento de estar nele e sentir tudo que a pequena chapéu fazia é impressionante.
Mayara Cristine disse…
ameeei o último tópico.. pra variar, bel e sua criatividade :D
Camilla disse…
Adorei o último tópico de cores hauahua

Eu fiz isso uma vez, mas com nomes de esmalte!!

Beijoo
"O Autor", disse…
Berço naturalmente artístico; isso explica a radiante escrita presente em sua alma.

Postagens mais visitadas deste blog

Carta para o meu avô

tereza, não ames!

há de se ter um jeito