"Fechar os olhos fugir do perigo. Matar bandido, prender ladrão.." Lisbela e o Prisioneiro

Bem, sem precisar de muita interpretação, acredito que ao ler esse trecho muita gente acha isso difícil. É triste observar o movimento nas ruas de nossa cidade. Tenho andado mais atenta a isso há alguns dias. E quase sem surpresa alguma, tive a impressionante sensação de que as pessoas estão convivendo mais com placas de sinalização, carros e celulares do que com elas mesmas.

Rosto assustados, com pressa para não perder o ônibus é comum. Estranho seria se não fosse assim. Como é solitário ver corpos abraçados com bolsas, papéis, revelando-nos o medo de andar livremente. Fico feliz quando presencio um ato de gentileza, um tímido sorriso arrancado da boca com facilidade, desejando um bom dia a alguém que passa. Em muitas caminhadas apressadas, até os animais passam despercebidos, e estão sujeitos à ignorância daqueles que os tratam como um obstáculo no caminho.

Os muros tornaram-se enormes barreiras. Piscar a luz do carro para o vizinho, hoje, é uma saudação. Não que eu a desconsidere, embora não possa negar a impassibilidade dessa ação. A tradicional conversa na calçada está sendo trocada por reuniões diante de uma televisão. Reuniões em que os participantes deixam de ser os personagens e passam a ser apenas o público de uma conversa fictícia.

Comentários

Jonathan Silva disse…
É vero belzita...hj o povo não tem mais tempinho de escrever as palavras todas,escrevem abreviando td!entendi...!?kakakaka,a sociedade cm em geral,está se acostumando a não vr a real felicidade...melhor,não sab viver!!!
Tipo,muita gente está achando que ir para os forros da vida e beber a noite toda é viver,mal sabem que ficar na recepção conversando com amigos é mil vzs melhor!entendi !?
pois então...resta nós ajudarmos,uma boa ação pode começar de nós mesmos....
Boa Noite ou será Bom Dia!?
Provavelmente é Boa Tarde,pq a senhorita só entra a tarde né...
Xerim!
Avilla Filho disse…
É, a globalização tem um grande pardoxo, a globalização está juntando um mundo, ao mesmo que tempo, a cada dia mais nos vemos presos as nossas casas, nos comunicando por máquinas, a cada dia cresce o numero de prédios, alguns contam inclusive com mercadinhos, academias, tudo para você precisar sair o minimo possivel dele, infelizmente o crescimento da violencia vem se tornando a cada dia mais um nó górdio, mas quem sabe, com futuros investimentos na educação e uma maior conscientização da importância do toque humanos, nós poderemos vir a resolver esse pardoxo?
Mayara Cristine disse…
é verdade... essa tecnologia deixa as pessoas tão afastadas :\ as vezes tenho medo de chegar num ponto tão tecnologico que deixe de existir contato pessoal :x

te amo beeel!
Meninas Má.Com disse…
Oiii Bel!
Menina, quanta coisa tu postou de uns tempos pra cá!
Mas gostei, fiquei um tempão entrertida lendo.
Hilária a história da mulher e a versão do homem. Agora o que adorei mesmo foi esse ultimo post, e o que é pior é que me identifiquei muito com o que disse...

Espero sua visita no Meninas Má.Com

Bjo Bel!

. Bäd Döll .

Postagens mais visitadas deste blog

Carta para o meu avô

tereza, não ames!

há de se ter um jeito