o secreto caso do feijão

Tenho pena do feijão.
No meu prato, ele quase sempre é colocado no cantinho ou ingerido com receio.
Coitado veio para fazer o bem e eu o rejeitando dessa maneira. Eu não sou ruim por causa disso, juro. Deixe-me explicar.
Almoçar é sempre uma dúvida emocional sempre que há feijão no meio.
Eu gosto de feijão. Melhor, gosto de apenas alguns tipos de feijão. Quando criança já fui induzida a tomar caldo de feijão para curar anemia. Antes do almoço, lá vinha minha mãe, ou minha avó, ou alguém trazendo um copo de caldo de feijão. Era um dilema. Literalmente, eu colocava o caldo para dentro, não o tomava para não sentir o gosto. E com coisas desse tipo, cresci aprendendo que feijão deixa crianças fortes e cura anemia.
Cresci e estudei biologia. Ai meu deus, o feijão é o cara! É rico em fibras, proteínas vegetais, possui ferro, cálcio, POTÁSSIO, fósforo...enfim, só não possui o elemento da vida eterna.
Quando não me alimento direito pela manhã, o almoço é o meu ponto de refúgio. Penso: já não comi bem essa manhã, se não comer bem no almoço, vou ter uma velhice cheia de doenças evitáveis! Depois de tais reflexões, coloco verduras e verduras, e verduras, arroz, carne e, às vezes, feijão. Primeiro, olho pro feijão. A paixão tem que acontecer logo no primeiro olhar. Se não acontecer, não tem feijão. E não colocar feijão faz com que minha comida seja rodeada por uma capa de inferioridade nutricional.
Já quando como feijão, sinto-me livre para comer batata frita, salgados, refrigerante, chocolate...Sem o feijão dentro de mim, tudo isso é sinônimo de: você vai ter diabétes, arteriosclerose, pressão alta, marca passo no coração, difícil coagulação sanguínea, artrite, osteoporose, subnutrição...
Não posso deixar que o feijão imponha essa ditadura alimentar em mim. Mas a culpa maior não é do feijão, são das pessoas que não sabem fazer feijão do jeito que eu gosto. Minha mãe, ás vezes, faz um feijão que dá até vontade de comer a panela e o resto do feijão cru que ficou no pote. A feijoada do meu avó é algo que possui o tempero secreto dos deuses responsáveis pelo feijão.
Bem, agora eu já vou. Sinto fome e vou comer! (Não é feijão)
beijo torto e temperado

Comentários

Fernanda disse…
Ah o feijão,sabe que já fui inimiga dele,agora somos amigos...
somos duas então...
Rs, eu simplesmente tinha o mal da anemia \:
tive q aprender a gostar dele
HUSAUSDHUSHDUSHDUSHDUSHD

Bj :)
eu sempre gostei de feijão, ainda mais agora que vc informou as qualidades nutritivas dele.

gosto também de lentilha, fava e guandu.
Erica Ferro disse…
Haha, muito bom esse post.

Ah, eu não almoço sem feijão.
A D O R O feijão!

Beijo.
Caio Timbó disse…
Feijão? Hum... isso é uma coisa boa!
Nem sei o que dizer sobre o legume mais importante da minha vida.
Meu pai não me forçava a tomar caldo, eu forçava ele a colocar pra mim. Minha mãe não implorava para que eu comesse feijão, eu implorava a ela que fizesse.(por que o dela é o melhor)
Feijão é mais importante que tudo na minha cozinha.

Feijão, eu te amo!
Achei delicioso o texto!
Michele disse…
Refeição sem feijão pra mim não é refeição!
Mania de brasileiro...

E nasci com anemia, logo comecei a comer caldo de feijão muito cedo!

Beijos
XD
Fe disse…
hahaha
adoreei o texto!

Eu não gosto muuuuito de feijão, mas de vez em quando como só pra dizer que eu como feijão. rsrsr

bjobjo ;**
feijoada e tutu são meus pratos favoritos, ao lado de spaghetti.
GrandeR@O disse…
ahuhuahuahu
fantastico
vc deverias escrever um livro
quem escreve dessa maneira sobre o feijão
nossa
fã de vc
seeerio...
i olha sou exigente com os meus idolos huahuahuahu
bsos psicodelicos
Renata disse…
Haa tenho uma loonga história com o feijão!Deis de rejeitá-lo até comer tanto que passei mal! Mas ele sabe qe eu ñ bato bem... haha
Acho qe eu ñ viveria sem um bom e digno prato brasileiro FEIJÃO com arroz (sempre me perguntei por que falavam arroz com feijão!)
Ótimo post.
Beijos
Tiago P. disse…
Parei de comer feijão aos 6 anos de idade. E sou mega feliz assim. Será que sou um cara mal?

Talvez não, comer os feijões é que seria maldade com as pequenas bolotinhas amarronzadas.
Anônimo disse…
Potássio.

Postagens mais visitadas deste blog

tereza, não ames!

há de se ter um jeito

Carta para o meu avô