Mãe, cadê?

-Mãe!
-Oi.
-Mãeeeee!
-Que é, menino?! Estou ouvindo!
-Mãe, cadê a farda do colégio?
-Está no varal.
-No varal? Por quê? O lugar dela não é no guarda roupa?
-É, Maurício! Mas sua farda precisa ficar de molho por um dia até que as manchas saiam!
-Ela nem é tão suja assim...
-É não? Claro, não é você que tem que lavar. Vai logo pegar essa roupa e cuide em se vestir, então vai se atrasar. Rápido, Maurício!
-Calma, mãe. Não sei fazer as coisas com pressa.
-Aprende!
-Mãe!
-Que foi agora?
-Cadê minha escova de dente?
-Está na sua mochila.
-Na mochila? Não era pra estar no banheiro?
-Maúrício, não me faça perder a paciência! Ontem, você foi para a casa da sua tia e levou suas coisas na mochila.
-Mas, a senhora não arrumou as coisas da mochila?
-Como é, Maurício? Você já está grande o suficiente para organizar as suas coisas. Maurício, você vai se atrasar! Já são quase sete horas!
-Calma, mãe. Já coloquei a pasta na escova, vem ver...
-Mãe!
-Fala, menino! Você vai perder a primeira aula denovo, Maurício! Cuida de se arrumar mais depressa!
-Mãe, vem aqui!
-Diz.
-Cadê os papeis que estavam aqui?
-Onde?
-Aqui, mãe, aqui.
-Joguei no lixo, Maurício.
-No lixo?!
-Ontem, vi você mexendo nesses papéis, pensei que estava organizando sua mesa e separando o que era para jogar no lixo. Maurício, sua mesa precisava ser arrumada!
-Mãe, eram os meus resumos! Vou ter prova amanhã!
-Maurício, para quê guardar coisas sem utilidade?
-Mãe, eram meus resumos! Eu ia estudar por eles!
-Maurício, não minta! Desde pequeno, você sabe que a verdade é essencial.
-Mas, mãe...
-Olha, menino, antes de jogar no lixo, eu li os tais resumos. Estavam escritos com um letra bonita, tinham anotações de quem presta atenção na aula, com dicas de livros e filmes. Filho, tinha certeza que aquelas coisas não foram feitas por você.
-Mãe! Cadê o lixo?
-O caminhão já levou.
-O que eu faço agora?
-Calça o tênis e vai correndo para o colégio! Se faltar aula, você está morto, Maurício!
-E se tirar nota baixa na prova de amanhã?
-Eu te mato, menino!
-Mãe, não vou pra aula.
-Como é? Maurício, são sete horas da manhã! Já comeu? Maurício!!! Você acaba com minha paciência! Você vai pra aula, sim! Agora, nem que você vá sendo puxado pelas orelhas.
-Mãe, se bater em mim, eu fujo de casa.
-Calma, filho, sem exageros. Não vai pra aula, por qual motivo?
-É, mãe, já que vou morrer de qualquer jeito, é melhor que seja aqui na conforto da minha cama do que na sala do diretor.

Comentários

A capacidade humana para desenvolver um texto não tem limites...

Você não sabe quantos pontos dos atos humanos você conseguiu abordar em um só texto.!

Adorei o espaço.. vou vir aqui de vez em quando para "tomar uma dose de sabedoria"!

- - - -

Sim.. As vezes chego a pensar que ele nasceu para ser trapaceiro.. apenas isso.. nada de real.. só ilusão.. Que bom que são pensamentos vagos.. sem fundamento.

Tenha uma ótima semana!

;*
Anônimo disse…
não é apenas um texto ou simples conjunto de palavras...
São destaques únicos e diários dos conflitos eternos...PAISxFILHOS.
...
...
...
quem será o maurício nessa história??
sei bem que não gostas de acordar cedo.
abraço
Aline V. disse…
huahauahua adorei...coitado do mauricio
Beijinhoooos
ccauan disse…
huehehehehehehehehe
muito bom!
me lembrou luís fernando veríssimo XP
parabéns! ;)
GrandeR@O disse…
hahuahuahuahuuha
adorei muito
hehehehe
bjus
JotaChaves disse…
Pô, que mãe chata essa! Estragou o dia do menino e ainda queria matar o coitado! rs

Melhor é morrer em casa mesmo. Boa dica. rs

Querida, revisão aí bem no final... tem "fugo"... ;)
Bertonie disse…
Eu e o menininho não nos diferimos muito.
Mas Bertonie com esse cérebro incrível não entender ):



beigos mil
Welma de Assis disse…
Caramba, muito bom o texto!!!

Parabéns!
:)
Sabrina Vaz disse…
Muito bom!
Seu textos são criativos e divertidos!
Parabéns e sucesso!


^^
mãe neurótica, tadinho do pimpolho.

Postagens mais visitadas deste blog

tereza, não ames!

há de se ter um jeito

Carta para o meu avô