é a mesma tv sempre.

Já tinha acontecido antes, mas, hoje, literalmente a programação da tv aberta me irritou. Acordei e ainda deitada tomei consciência do que tinha que fazer. A preguiça dominical sumiu assim como a sede perto de um copo d'água encostado na boca. Li Durkhein e as regras do método sociológico. Passei horas de atenção com um livro em mãos, relendo e refletindo cada parágrafo. Terminei um dos capítulos e lembrei da resenha que tinha que fazer de um filme. Rabisquei algumas coisas, a vista estava cansada, parei a caneta e liguei a tv a fim de assistir algo ao menos curioso. O controle remoto ia me revelando uma lista de canais em ordem crescente. Essa lista de canais ia me revelando uma programação repetida. Em um o velho apresentador e suas bailarinas sorridentes, seus cachorros adestrados e suas revelações musicais. No outro uma jovem apresentadora e suas experiências científicas, seus talentos artísticos e suas provas de amor. Logo adiante, um conservador, no sentido de conversar a mesma imagem e a mesma estrutura da sua emissora há anos, e sua criança prodígio, atrevida e desinibida. Continuando o caminho, encontramos jornais espremendo notícias já dadas, mulheres seminuas, cantores de refrão, testes de conhecimento, missas televisionadas, paralíticos andando em cultos lotados onde o pastor afirma indo e voltando que foi coisa de Jesus, jóias sendo vendidas, uma partida de futebol e um debate de parlamentares sobre os investimentos públicos. Seria interessante, se não fosse tão igual. Seria divertido, se fossem mais criativos. Tenho notado que os programas, de auditório principalmente, são sempre os mesmos. Sua estrutura congênita e imóvel apenas é camuflada com mudanças de cenários anuais, homenagens comemorativas mensais, uma vez que o telespectador, por mais que pense que esteja escolhendo o que assistir por livre vontade, é obrigado indiretamente a ver o que está passando. O poder coercitivo só é sentido quando tenta-se resistir contra essa rotina televisiva que reserva um espaço mínimo a reflexão, ao pensamento, a formulação de idéias, oferecendo tudo isso já supostamente refletido, pensado e formulado. Dentre tantos canais, decidi desligar a tv.

Comentários

Bruno Ribeiro disse…
O que faz um pessoa parar para ler Durkhein? Programação de domingo, eu acho. Oo ha-ha.
Belzinha, você cada vez se supera mais, apressio cada vez mais seus textos.

Obs: Ei torto, se quiser começar a aprender a dividir ela, não tem problema, beleza? ;)
Hum...~^
ngm atura mais esses programas,quando eu te falei que não aguento mais essa morgação de fds...estava incluindo essa tb.Pô,é um pé no saco esse gordinho e seus cachorros viciados em biscoitos,a loirinha que não para de sorrir e um velho com peruca e um andróide de 6 anos em uma emissora que só tem consoantes...aff!!!
antigamente,quando não existia TV o povo fazia o que?fora fzr filho?!^^
Adoro debater sobre esse tema de morgação.e a senhorita,como sempre,escrevendo cada vez melhor!
Beijos.até...
Bertonie disse…
uhu
É como um restaurante que oferece comida podre no cardápio e diz que o cliente tem liberdade de sair.
Já desisti da TV aberta, HAHA'



beigos mil
fazem 2 anos que eu não ligo o meu televisor, sou "alienado"?
GrandeR@O disse…
Eu odeio a tv aberta, pelo menos no horarios de pico sim.
Nossa adorei o seu blog vou passar a segui-la
eu tenho q ler Durkheimer tmb pra faculdade
mas da preguiça prefiro Webber
hehehe
Joyce Beltrão disse…
Por essas e outras que eu nem perco mais tempo tentando achar alguma coisa que preste na tv aberta... Não vale a pena perder nem os segundos zapeando.

Xêro

Obs.: Tem um presente (presente?) p/ tu lá no blog! Passa lá, ok?
Thiago Laurent. disse…
Cara, eu num assisto mais TV, num tenho dinheiro pra TV a cabo, então fico sem assistir mesmo. Isso tudo me enjoa, sorte que tem a internet pra me alegrar no lugar da TV, hunf.

Obrigado por passar lá no meu blog viu? Volte sempre :*
Almir Moreira disse…
hahaha, o layout ficou LINDO bel.
e o jornal? conseguiu fazer alguma coisa? eu to morrendo de preguiça, é TANTA coisa pra fazer
YullyAngel. disse…
A tv ja foi boa.... a um tempao atras...
agora apenas lixo!
x.x

bju

Postagens mais visitadas deste blog

Carta para o meu avô

tereza, não ames!

há de se ter um jeito