"Acelerador de partículas LHC (Large Hadron Collider). Esse é o equipamento mais potente já criado (custou quase 4 bilhões de euros) e faz parte do experimento da Organização Européia de Pesquisa Nuclear — formada por cientistas de quase 200 instituições e de 50 países. No túnel gigantesco em que estão circulando os feixes de prótons há quatro detectores que permitem aos cientistas mudar a rota dos feixes para que se choquem e recriem o Big Bang (teoria que afirma que o universo teria sido originado de uma explosão. Por isso, o dia de hoje é comemorado pelos cientistas como um marco da história da Física.)"

Recriar o Big Bang? Uma teoria bem alimentada de justificativas convicentes está prestes a ganhar mais credibilidade em relação à tantas outras existentes. Daqui a um tempo, a definição da palavra impossível terá que ser reformulada. Por qual motivo? Tu bem achás que o homem, atrevido do jeito que é, já não terá pensado e colocado em prática as idéias sobre as coisas que nós achavamos que eram impossíveis? A dedicação, a persistência, a paciência e o desejo de alcançar o esperado objetivo, ou se for possível, superá-lo, desses cientistas é de incentivar qualquer aluno que queira passar no vestibular. E ao conseguirem, recebem os merecidos méritos e passam para um novo projeto.
É incrivél, grandioso, caro, trabalhoso e precisa de muita atenção, não é?
Agora leia isso...

"925 milhões: este é o número de pessoas passando fome no mundo. O dado é de 2007 e foi extraído de um relatório da FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura) divulgado esta semana. Em 2006, eram 850 milhões. Segundo o mesmo relatório, é necessário um investimento de, pelo menos, 30 bilhões de dólares para combater esse problema, a longo prazo. Com esse dinheiro, seria possível dobrar a produção de alimentos."

Levando em consideração as respectivas proporções e analisando friamente a situação é de se concluir que a vida está sendo desvalorizada, espancada até morte. Nesse caso, ficando vazia até a morte. É inacetável o número de pessoas passando fome. Ao ler essas palavras chocantes, a culpa começa a ser lançada. Culpa do governo de cada país que não incentiva e coloca em prática uma política social bem projetada. Culpa das pessoas que não fizeram por onde melhorar a vida. Culpa disso. Culpa daquilo. Deus quis assim. Culpa de quem é rico e não divive o que tem. Culpa das estatísticas que estão erradas. Culpa de quem se mete na fome dos outros. Culpa, culpa. Pouca ação, muita morte e um futuro tecnologicamente habitado por robôs que não precisarão comer. E então, ao invés de dias marcados nos calendários, teremos vergonhosas décadas de fome marcadas na história.

Comentários

Camilla disse…
O pessoal sempre gosta mais de jogar a culpa nos outros do que tomar alguma atitude.

Né?

Beijos
Avilla Filho disse…
Caríssima torta,
eu entendo sua preocupação, no primeiro momento eu pensei justamente como você, e os dados que coletei é que a pesquisa era quase o dobro daqui você colocou, mas não discutiremos sobre o preço exorbitante, porém, isso pode trazer enormes avanços para a ciência; o laser tão útil pra cirugias, branqueamentos dentários e em máquinas de ponta foi descoberto quando se estudava máquinas de feixes de luz, entenda que a partir dessa máquina podemos ter avanços tão grandiosos com o laser foi na época, sei, que ainda sim, saber que tanta gente passa fome e se gastar tanto numa máquina é beirando o cumulo do egoísmo, mas senhorita torta, com toda franquidade, tu acha que os financiadores dessa máquina ligam pra se um continente inteiro( a áfrica) sucumbe de fome e de dor, infernizada por secas, guerras, minas e dor de todas as formas possíveis?
como diria meu tio:" Capsicum frutescens introduzida no reto alheio é refresco."
Avilla Filho disse…
Criança; sem preocupações ou maldades; onde tudo a imaginação transforma em divertimento e brincadeira, onde a maior preocupação é como se divertir e principalmente longe dessa hostil realidade.
Sinto falta.
Fiuza disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Fiuza disse…
Degradação moral de grande parte dos seres humanos, o super-ego, a vontade incontrolada de satisfazer seus fetiches, prazeres; criação da própria interprisão, a cegueira induzida...
O que mais me angustia é não saber o porquê de tudo isso existir. Bastava o mínimo de bom senso e não mais que tempo pra questionar as nossas decisões, o que tomamos como prioridade.
Mas se eu e você, Isa, questionamos fatos como esse, é certo que muitos outros também estejam questinando, executando tarefas que proporcionem o bem estar coletivo.
Te adimiro, Arquiteta ^^

Postagens mais visitadas deste blog

Carta para o meu avô

tereza, não ames!

há de se ter um jeito